Carregando...aguarde, por favor.

"Enquanto que a abstinência é o princípio, nossa única esperança
de recuperação é uma mudança de fundo emocional e espiritual."

Preloader
Mais 24 Hrs
  • Enter Title 1 Here

    http://2.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxIRTF4hqFI/AAAAAAAAAZ0/a0rDe2UC838/slideshow+1+big.jpg

    Enter Description 1 Here.

    Bionic
  • Enter Title 2 Here

    http://3.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxIRePsmefI/AAAAAAAAAaE/1bEo7Jhje7Y/slideshow+2+big.jpg

    Enter Description 2 Here.

    MOH
  • Enter Title 3 Here

    http://1.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxIRlhta4NI/AAAAAAAAAaU/91As7SkDIZE/slideshow+3+big.jpg

    Enter Description 3 Here.

    Fear
  • Enter Title 4 Here

    http://2.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxIRudm44wI/AAAAAAAAAak/xPjT8DtBq9s/slideshow+4+big.jpg

    Enter Description 4 Here.

    Farcry
  • Enter Title 5 Here

    http://1.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxIR4NEkreI/AAAAAAAAAa0/B0ab0ypP_z4/slideshow+5+big.jpg

    Enter Description 5 Here.

    Farcry 2
  • Enter Title 6 Here

    http://1.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxISBN5s6XI/AAAAAAAAAbE/jYBV3sn5y8o/slideshow+6+big.jpg

    Enter Description 6 Here.

    Crysis
  • Enter Title 7 Here

    http://1.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxISHlkmzLI/AAAAAAAAAbU/gbpIfiAelH0/slideshow+7+big.jpeg

    Enter Description 7 Here.

    Tomb Raider
  • Enter Title 8 Here

    http://3.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxISPRJ9FyI/AAAAAAAAAbk/col8cO-Gtc8/slideshow+8+big.jpg

    Enter Description 8 Here.

    Game
  • Enter Title 9 Here

    http://1.bp.blogspot.com/_4HKUHirY_2U/SxISVrBaCgI/AAAAAAAAAb0/7TyVFfKbqyc/slideshow+9+big.jpg

    Enter Description 9 Here.

    Medal of honor

Estudo divulgado nos EUA informa que um a cada dez adultos morre por abuso em excesso de álcool

Álcool
De acordo com um estudo realizado pelo Centro de Doenças, Controle e Prevenção realizado dos Estados Unidos, um dos maiores causadores de morte no mundo é o abuso excessivo de álcool. O estudo em tela indica: um em cada dez adultos morre por este consumo em excesso.

Para aqueles que bebem a cada happy hour ou em todas as festas que comparece, é melhor estar informado que 10% das mortes em adultos, dos 20 aos 64 anos, são provocadas pelo uso abusivo de álcool, segundo um relatório.Esse valor foi encontrado de acordo com uma investigação dos relatórios de 2006 a 2010, do "Alcohol-Related Disease Impact", que estimou quantos anos de vida nos são retirados quando ingerimos álcool.

No período dos quatro anos avaliados, foram registradas 88 mil mortes. Algumas foram provocadas pelo consumo excessivo de álcool. Outras ocorreram em decorrência de episódios de violência ou de acidentes, ocasionado pelo estado de embriaguez das vítimas. Esse dado torna-se ainda mais alarmante, quando se sabe que, a nível mundial, o álcool é responsável por 3,3 milhões de mortes.
 
Fonte - Noticias ao minuto

Vareniclina combinada com adesivos de nicotina melhoram as taxas de cessação do tabagismo, diz estudo realizado na África do Sul

Tabaco
Vareniclina combinada com adesivos de nicotina melhoram as taxas de cessação do tabagismo.Combinando a medicação para cessar o tabagismo – Vareniclina com a terapia de reposição de nicotina, foi mais eficaz que a vareniclina sozinha para alcançar a abstinência do tabaco em 6 meses, de acordo com um estudo no JAMA.

A combinação da farmacoterapia e abordagens comportamentais são de benefício comprovado para ajudar os fumantes a parar. A combinação da terapia de reposição de nicotina (TRN) com vareniclina foi para melhorar o tratamento sugerido para a abstinência tabágica, mas a sua eficácia é incerta, de acordo com a informação em segundo plano no artigo.Coenraad FN Koegelenberg, Médio e Ph.D., da Universidade de Stellenbosch, Cidade do Cabo, África do Sul, e colaboradores , distriburam aleatoriamente 446 fumantes geralmente saudáveis à nicotina ou a um ciclo de tratamento placebo de 2 semanas, realizado antes da data de parar do observado e continuou por mais 12 semanas. A vareniclina foi iniciada uma semana antes de TQD, continuou por mais 12 semanas, e diminuida gradativamente na semana 13.

O estudo foi realizado em sete centros na África do Sul a partir de abril de 2011 a outubro de 2012.; 435 participantes foram incluídos nas análises de eficácia e segurança.Os pesquisadores descobriram que os participantes que receberam o TRN e vareniclina foram mais propensos a alcançar abstinência contínua do fumo (confirmado por medições de monóxido de carbono expirado) em 12 semanas (55,4% contra 40,9 %) e 24 semanas (49,0% contra 32,6%) e prevalência do ponto de abstinência (uma medida de abstinência com base no comportamento em um ponto especial no tempo) em seis meses (65,1% contra 46,7%) do que aqueles que receberam o placebo do TRN e vareniclina.

No grupo de tratamento combinado, havia mais náuseas, distúrbios do sono, reações de pele, prisão de ventre, depressão, com apenas as reações cultâneas atingindo significância estatística (14,4% 7,8% ); o grupo de vareniclina sozinha fora experimentado mais dores de cabeça e sonhos anormais."Neste estudo, de nosso conhecimento, o maior estudo para examinar a eficácia e a segurança do tratamento de vareniclina completando com TRN, encontramos informações que o tratamento de combinação para ser associado com uma taxa estatisticamente significativa e clinicamente importante, com abstinência contínua superior em 12 e 24 semanas , bem como uma prevalência maior da taxa de abstinência no ponto seis meses ", escrevem os autores.Eles acrescentam que mais estudos são necessários para avaliar a eficácia e segurança a longo prazo.

Fonte - Medical news Today

Governo canadense discute como resolver a crise de crescimento de opióides

Hidrocodona
Um número crescente de pessoas estão morrendo de forma dramática por uso de opióides - como OxyContin e codeína - mas especialistas em saúde e os médicos dizem que o Canadá não está fazendo o suficiente para combater a crise.


"Nós Damos essas drogas para muitas pessoas, em doses generosas e muito altas, e precisamos refrear essa distribuição excessiva de prescrição de opióides", disse Benedikt Fischer, do Instituto Canadense de Pesquisa em Saúde ,que se especializa em abuso de substâncias. "Se fizermos isso de forma eficaz, vamos reduzir muito os danos, inclusive mortes."Os opióides são uma família de drogas que são normalmente usados para tratar a dor, mas também são conhecidos por dar aos usuários uma sensação de euforia, tornando-os substâncias de dependência.

Um em cada cinco canadenses sofrem de dor crônica, analgésicos como a codeína e a morfina são atraentes.No entanto, o Canadá ultrapassa a maioria dos outros países desenvolvidos em sua prescrição dos medicamentos. Dados recentes colocam o Canadá como o segundo maior do mundo em consumo per capita de opióides por prescrição, logo após os Estados Unidos."Estes não são drogas inócuas", diz Fischer. "Eles veem com uma série de riscos e danos."Um estudo divulgado segunda-feira abordou um dos piores males: a morte.O estudo, publicado na revista Addiction, verificou que a taxa de mortes relacionadas com opiáceos dobrou em Ontário para 41,6 mortes por milhão - ou cerca de 550 mortes por ano. Entre 1991 e 2010 jovens adultos são as vítimas que mais se aderem ao uso.

Para aqueles da área de dependência, o estudo rigoroso que analisou pormenorizademente quase duas décadas de relatórios legistas, forneceu confirmações de uma tendência preocupante ligada a um tipo de analgésico prontamente disponível."Isso tem sido observado por um longo tempo”. Nós sabemos que essas drogas causam muitas mortes, os números estão subindo. A pergunta é: O que estamos fazendo sobre isso? " indaga Fischer.Uma forma que o Health Canada tentará conter o abuso dos medicamentos é forçar as empresas a fazer opióides com grande poder de dependência, particularmente OxyContin, resistentes e à prova de falsificação, de tal forma que não poder-se-á esmagá-los, com finalidade de aspirar ou injetar, obtendo ação rápida e alta.

Enquanto os analgésicos opióides são necessários em muitos casos, eles também podem ser gerar alta dependência e, consequentemente, levar a overdoses. Especialistas alertam que os médicos devem pesar o risco e o benefício da prescrição.Essa publicação veio segunda-feira e coincidiu com questões que estão sendo levantadas. Pílulas canadenses, na forma mais antiga do OxyContin, que os EUA proibiu no ano passado por sua capacidade de fácil esmagamento, estão escorrendo ao sul da fronteira.O pesquisador sobre dependência, Thomas Kerr, descartou a ação pela Health Canada como uma "estatégia menor" que não consegue resolver o problema maior, tornando-se uma crise de saúde pública.

Não são apenas os dependentes que podem ainda obter sua dose alta da droga na forma prescrita, os estudos mostram que muitas vezes eles simplesmente passar para uma outra droga, disse Kerr, que é co-diretor da Iniciativa de Pesquisa em Dependência e Saúde Urbana em B.C."A realidade é que o governo federal não sabe realmente o que está acontecendo com as drogas neste país", disse Kerr.Países como Austrália e até mesmo os Estados Unidos têm "programa de drogas bem mais sofisticados de drogas do que o Canadá, como a pesquisa anual dos EUA sobre o uso de drogas e à saúde, diz ele.”Um estudo realizado por Fischer fez achar que a demanda por tratamento relacionado com opióides de prescrição dobrou em Ontário, em cinco anos, terminada em 2009.

É o problema que mais cresce para os serviços de dependência na província. Em 2011, quase 20 por cento das pessoas em Ontário que procuram tratamento para dependência estavam lá por opióides de prescrição.Em uma comissão permanente federal sobre saúde auditiva no início deste ano, o Dr. Meldon Kahan, um especialista em dependência, descreveu a crise de saúde pública como “causada por médicos”."A boa notícia é que desde que a crise é causada por médicos, elapode ser resolvida pelos mesmos, com a ajuda dos políticos e o público em geral" , disse o comitê.O médico sugeriu uma série de soluções possíveis, incluindo a droga em planos provinciais que colocam limites de reembolso para altas doses de opióides.

Reguladores médicos, tais como universidades médicas, estabeleceram padrões explícitos e o governo federal aumentará a supervisão das informações sobre prescrições dadas pelos fabricantes de medicamentos para médicos .Para Fischer, o maior desafio é reduzir no Canadá a enorme quantidade de opióides que são dispensavéis .Embora a medicação pode ser necessária para controlar a dor crônica ou grave, ele diz que os médicos precisam de mais formação sobre quando não prescrever analgésicos. Em muitos países da Europa ocidental, ele observa que eles prescrevem até um terço do que está sendo prescrito no Canadá.Às vezes, os riscos, tais como uma overdose ou vício, podem superar os benefícios, frisou.

É uma lição que Betty-Lou Kristy sabe melhor do que ninguém. Em Georgetown, Ontário, esta mulher perdeu seu filho de 25ª anos, quando ele se tornou dependente em OxyContin prescritos para a dor e, acidentalmente, ocorreu uma overdose quando o medicamento fora misturado com outros."Minha mensagem realmente seria questionar a necessidade de uma receita médica", disse Kristy. "Se está sendo prescrito um opióide para você, torna-se necessária uma discussão com o seu médico."Ela disse que as pessoas não entendem a dependência dos opióides - e automaticamente assumem que estes são seguros, porque são prescritos através de um médico."Isso realmente me assusta", disse Kristy. "É tão devastador. É tão difícil de vencer esta dependência."

Fonte - CBC Canadá

Relatório conclui que o tabaco é mais mortal hoje do que há 50 anos

Cinquenta anos atrás, a Academia de Cirurgia dos Estados Unidos conseguiu vincular o tabaco ao câncer de pulmão pela primeira vez. Desde então, as pesquisas associam tabagismo a uma série de outros problemas de saúde, e os esforços para divulgar os efeitos nocivos ajudou a impulsionar um declínio histórico no número de americanos que fumam regularmente.


No entanto, mais de 42 milhões de adultos permanecem dependentes de cigarros, e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) diz que o tabaco ainda é o maior desafio de saúde pública. Por que é que o tabaco continua no topo da lista do CDC? Por que não ultrapassamos esta etapa? Em grande parte porque os fabricantes de cigarros têm trabalhado para manter seus produtos relevantes, mesmo no meio de campanhas de saúde pública agressivas para combater o tabagismo, de acordo com novo relatório divulgado pela Campanha para Crianças Livres do Tabaco dos Estados Unidos.

Os cigarros de hoje são muito diferentes dos cigarros que estavam no mercado há cinco décadas, de acordo com o novo relatório, e isso é porque as empresas de tabaco têm realizado pesquisas para descobrir como fazer com que o tabagismo se mantenha atraente para novos consumidores.

Eles aumentaram o grau de dependência em seus produtos aumentando os níveis de nicotina - a química viciante do cigarro - e usando novos aditivos para ajudar a melhorar o impacto da substância. Eles também adicionaram aromatizantes, açúcares e mentol para mascarar o efeito da fumaça, e, em última análise, na esperança de que isso iria tornar os cigarros mais agradáveis de serem usados.

"A maioria das pessoas poderia pensar que, 50 anos depois de termos descoberto que o cigarro causa câncer de pulmão, o cigarro seria mais seguro. O mais impactante no relatório foi que, hoje, descobrimos que um fumante tem mais de duas vezes mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que um fumante de cinquenta anos atrás, sendo este um resultado direto de alterações de design feitas pela indústria", informou Matt Myers, Presidente da Campanha para Crianças Livres do Tabaco.

Em cima disso, a organização de Myers observa que essas empresas têm feito movimentos calculados para criar a próxima geração de fumantes, de acordo com documentos internos de marketing de empresas de tabaco que foram tornados públicos, como resultado de processos judiciais contra eles.
 
Fonte - Thinkprogress

Risco genético de esquizofrenia também pode levar ao consumo de maconha

É possível que a predisposição genética de uma pessoa a ter esquizofrenia também aumente a chance de ela se tornar usuária de drogas – especificamente de maconha. É o que concluiu um estudo britânico publicado nesta semana.


Segundo os pesquisadores, trabalhos anteriores já haviam identificado uma relação entre o transtorno psiquiátrico e o uso da droga. No entanto, eles indicavam que a maconha pode afetar o cérebro de modo a aumentar o risco de esquizofrenia. “Nosso estudo certamente não descarta essa possibilidade, mas sugere que provavelmente existe também outro tipo de associação”, diz o coordenador do estudo, Robert Power, pesquisador do Instituto de Psiquiatria do King’s College.

A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico que costuma aparecer na adolescência e que afeta cerca de 1% da população. Os sintomas mais comuns incluem a perda de contato com a realidade, alucinações, pensamentos desordenados, índice reduzido de emoções e alterações nos desempenhos sociais e de trabalho.

As causas da esquizofrenia ainda não são completamente conhecidas, mas cientistas sugerem que a doença surge a partir de uma combinação de fatores genéticos, físicos, psicológicos e ambientais. Pesquisas anteriores já identificaram algumas mutações genéticas que aumentam o risco do transtorno.

Análise — O novo estudo, publicado na revista Molecular Psychiatry, foi realizado com 2.082 pessoas saudáveis, sendo que metade delas era usuária de maconha. Os pesquisadores avaliaram o risco genético de esquizofrenia entre os participantes – ou seja, a quantidade de variações genéticas relacionadas à doença que cada um apresentava.

As conclusões indicaram que as pessoas geneticamente predispostas a ter esquizofrenia também eram mais propensas a serem usuárias de maconha e a consumir a droga em quantidades maiores do que os indivíduos sem essa predisposição genética.

“Nosso estudo destaca a complexa interação entre genes e ambiente quando falamos de maconha e esquizofrenia. Nossos achados são importantes, considerando os impactos da droga sobre a saúde”, diz Power.

Fonte - Adaptado de Veja

Favelas e cracolândias que ninguém vê


Muitos desses indivíduos não chegaram ali por causa do crack, e sim por numerosos outros motivos pessoais, econômicos e sociais


O que favelas e cracolândias têm em comum? Ambas sofrem do mesmo mal: são definidas usualmente por meio de estereótipos e transformadas em bodes expiatórios, em escudos contra a assunção de responsabilidades diante de problemas sociais que não se quer enfrentar. Mais do que isso, visões preconceituosas das favelas e cracolândias acabam autorizando formas desrespeitosas e truculentas de lidar com as pessoas que habitam esses espaços.

No caso das favelas e periferias das grandes cidades, a imagem corrente é de moradias inacabadas e condições urbanas precárias, onde prevalecem a miséria, a ilegalidade e a violência. Enxergar as favelas apenas dessa perspectiva significa ignorar o universo social e cultural produzido por seus moradores, a vida pulsante que corre diariamente por suas ruas e vielas, a rede de sociabilidade e solidariedade ali construída. Significa ignorar uma história de organizações e de lutas, e tudo o que os moradores de favelas representaram e representam para a construção do país.

Com relação às cracolândias, existe a crença generalizada de que são espaços povoados por “zumbis”, por pessoas de comportamento imprevisível, violento e repugnante, por autômatos guiados unicamente pelo desejo da droga, sem capacidade de discernimento. No entanto, basta ter a coragem de visitar uma cracolândia real, como fizemos numa das favelas do Complexo da Maré, para enxergar sujeitos usando crack, sim, ingerindo bebidas alcoólicas e eventualmente brigando, mas também compartilhando alimento, afeto e solidariedade. Homens e mulheres cujas vidas viraram de cabeça para baixo num piscar de olhos: perda de emprego, desestruturação familiar, abandono. E que encontraram nas ruas, entre os usuários de crack, o apoio necessário para sobreviver. Ao contrário do que se acredita comumente, muitos desses indivíduos não chegaram ali por causa do crack, e sim por numerosos outros motivos pessoais, econômicos e sociais. O crack é o que hoje lhes proporciona os poucos momentos de prazer que ainda têm na vida.

Vimos na cracolândia algumas dezenas de pessoas miseráveis, morando em minibarracos improvisados e cercados de montes de lixo, sem a atenção dos mais elementares serviços públicos. Mas, mesmo assim, capazes de construir arranjos de convivência e de auxílio mútuo, de refletir sobre suas histórias e sua situação atual, de tomar decisões e de formular demandas.

Nada disso implica negar a existência dos graves problemas decorrentes do uso abusivo do crack. Mas não é com estereótipos que se poderá enfrentá-los adequadamente. Pelo contrário, as imagens estereotipadas servem ora a uma estratégia avestruz para sequer enxergá-los, ora à aceitação de “soluções” truculentas, por trás das quais se escondem muitas vezes interesses pecuniários escusos, como os de certas “comunidades terapêuticas” a quem favorece enormemente a política de internação compulsória financiada pelos cofres públicos.

O abandono a que as favelas foram historicamente relegadas é o mesmo que hoje se observa em relação às chamadas “cracolândias”. É a tendência a lidar com esses espaços por meio de rótulos preconcebidos que geram medo, desconfiança e desrespeito. Se a visão da favela como antro de bandidos justificou por décadas ações violentas e ilegais da polícia, no lugar de políticas públicas para integrar esses espaços ao tecido urbano, a imagem da cracolândia como antro de “zumbis” vem dando força a medidas também violentas e discriminatórias, em vez da assistência devida ao atendimento das reais necessidades dos usuários.

Carl Hart é professor da Universidade de Columbia, Eliana Sousa Silva é diretora da ONG Redes da Maré, Julita Lemgruber é socióloga e coordenadora do Cesec/Ucam
Fonte - O Globo