Um só não basta

Um só não basta

 
Um só não basta
ABP - Associação Brasileira de Psiquiatria

Dor de cabeça, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, náusea e dores musculares. Quem costuma ingerir mais de 250 miligramas de cafeína por dia e apresenta ao menos três desses sintomas após 24 horas sem um único cafezinho ou refrigerante pode ser diagnosticado com abstinência de cafeína. Esses 250 miligramas equivalem a seis xícaras de café expresso ou cinco latas e meia de Coca-Cola. A dependência química da substância é conhecida desde a década de 90, mas somente neste ano a abstinência foi incluída no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), que está em sua quinta edição. O DSM, editado pela Associação Americana de Psiquiatria, é referência mundial no tratamento de doenças psiquiátricas.

Como acontece com outros tipos de dependência química, a da cafeína também se dá no cérebro. A cafeína tem o poder de bloquear os receptores de adenosina, substância liberada durante toda a atividade cerebral e que funciona como um calmante natural. Assim, uma mente em estado de cansaço e com níveis altos de adenosina vai experimentar alívio e excitação depois de algumas doses de cafeína. O processo funciona bem durante um tempo, até que o cérebro aciona suas defesas em busca de equilíbrio e passa a produzir mais receptores de adenosina. Então, a quantidade de cafeína necessária para produzir excitação passa a ser maior. Isso explica por que pessoas que consomem muita cafeína adquirem resistência e precisam aumentar as doses de café ou refrigerante para desfrutar o efeito energético.
 
A inclusão da abstinência em um manual de transtornos mentais é controversa. Diz o psiquiatra Ronaldo Laranjeira, professor titular de psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo: “Os sintomas de abstinência de fato existem, a dúvida é se vale a pena transformá-los em uma doença”. Os especialistas que apoiam a iniciativa lembram que a cafeína é a droga psicotrópica mais popular do mundo. Para o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva, o vício em cafeína e os sintomas de abstinência devem ser diagnosticados e remediados de maneira individualizada. “Cada organismo apresenta uma vulnerabilidade diferente. O que deve ser observado é se a dependência atrapalha a realização de tarefas diárias”, diz ele.Felizmente, o tratamento é mais simples, quando comparado ao dispensado vício em outras drogas, e os sintomas da abstinência não costumam durar mais que uma semana. “
 
A cafeína é atípica porque não provoca danos no cérebro ou no organismo comparáveis aos dos entorpecentes”, diz Laranjeira. No consultório de Roland Griffiths, do departamento de psiquiatria e neurociência da Universidade de Johns Hopkins, nos Estados Unidos, os pacientes viciados em cafeína são orientados a reduzir gradativamente a ingestão da substância – 25% a menos em cada semana. Uma das táticas para alcançar essa redução é misturar café descafeinado à versão normal. Em um ponto os especialistas concordam: moderação é essencial para que a cafeína não amargue o dia a dia.

Fonte - Uniad - Ronaldo Laranjeira
 
Voce tem sugestões, ou críticas ? Colabore com este blog clicando aqui...Envie sua mensagem, ou sugestão de assunto. Será um prazer lhe responder. Obrigado, Mais 24 Hrs.
Share: